Suscetibilidade de Larvas de Simulídeos ao Larvicida Temephos em Caarapó, MS

Tatiane Zaratini Teixeira, Eduardo José Arruda, Magda Freitas Fernandes, Carlos Fernando Salgueirosa Andrade, Bruno do Amaral Crispim, André Kioshi da Silva Nakamura, Emerson Pereira da Silva

Resumo


O controle de simulídeos no Brasil é necessário para se evitar incômodos às comunidades rurais ou urbanas e prejuízos econômicos em áreas de atividade agropecuária ou turísticas. Foi realizada a avaliação da suscetibilidade ao organofosforado temephos (Abate 500 CE) de larvas de Simulium spp. do córrego Caarapó, na cidade de Caarapó no estado de Mato Grosso do Sul. A resistência ao larvicida foi indicada a partir de teste bioquímico rápido da atividade de esterases em extratos de larvas, e confirmada pelos resultados do bioensaio de campo com larvas em calhas no leito do córrego. No bioensaio em campo larvas de último estádio foram expostas à uma Concentração Operacional de 0,5 ppm i.a./10 minutos e à uma Concentração Diagnóstico de 2,5 ppm i.a. de Temephos e obteve-se baixas mortalidades médias (5,7% e 44,6% respectivamente), confirmando a resistência e indicando a necessidade do uso de outros produtos de controle para simulídeos nessa área.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14295/BA.v9.123

Sociedade Entomológica do Brasil