Controle Químico de Calacarus heveae Feres (Acari: Eriophyidae) em Seringueira

Marineide Vieira, Eduardo Gomes, Janayna Figueira

Resumo


A cultura da seringueira, Hevea brasiliensis (Willd. ex. Adr. de Juss.) Müell. Arg., pode ser atacada por várias espécies de ácaros. Entre os fitófagos, Calacarus heveae Feres (Acari: Eriophyidae) desenvolve-se na face superior de folhas maduras, atingindo elevados níveis populacionais e pode provocar a perda de até 75% das folhas um ou dois meses antes da desfolha natural. Com o objetivo de gerar informações que auxiliem na definição de uma estratégia de controle de C. heveae, o presente trabalho comparou o desenvolvimento populacional da espécie em áreas tratadas com os acaricidas azociclotina, enxofre, cihexatina, espirodiclofeno e propargito, durante o período de novembro de 2001 a junho de 2002. O nível de controle adotado foi de 0,5 ácaro/cm2. Os acaricidas foram pulverizados com um turbopulverizador para seringueira com um volume de calda de 1 litro por planta. Todos os produtos testados apresentaram alta eficiência inicial de controle (>90%). Entretanto, houve uma grande diferença quanto ao período de controle proporcionado. No período do experimento, apenas duas aplicações do espirodiclofeno e do propargito foram suficientes para manter a população de C. heveae abaixo do nível de dano econômico. No entanto, para os tratamentos com cihexatina e enxofre foram necessárias quatro aplicações nesse período. Dentre os tratamentos avaliados, spirodiclofeno e propargito possibilitaram a maior retenção foliar da seringueira, que foi avaliada indiretamente mediante a quantificação da intensidade de luz sob a copa das plantas.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14295/BA.v1.0.37

Sociedade Entomológica do Brasil