Seletividade Fisiológica de Inseticidas a Vespas Predadoras (Hymenoptera: Vespidae) de Leucoptera coffeella (Lepidoptera: Lyonetiidae)

Leandro Bacci, Flávio Fernandes, Marcelo Picanço, André Crespo, Mateus Campos

Resumo


A conservação de inimigos naturais é um componente importante no manejo integrado de pragas. Neste trabalho, estudou-se a seletividade de 11 inseticidas usados para manejar Leucoptera coffeella (Guérin-Méneville) aos predadores Protonectarina sylveirae (Saussure), Polybia scutellaris (White) e Protopolybia exigua (Saussure) (Hymenoptera: Vespidae). Os inseticidas foram empregados em concentrações que correspondem a 50% e 100% da dosagem utilizada para o manejo de L. coffeella. Os organofosforados (exceto a subdose do etiom a P. scutellaris) foram altamente tóxicos aos três Vespidae estudados. Cartape não apresentou seletividade em favor de P. escutellaris e P. exigua, mas foi medianamente tóxico a P. sylveirae. Os piretróides cipermetrina, deltametrina, betaciflutrina, zetacipermetrina e esfenvalerato foram seletivos a pelo menos uma espécie de Vespidae estudada. As mortalidades causadas por etiom, cipermetrina, deltametrina, betaciflutrina e zetacipermetrina a P. scutellaris decresceram quando se utilizou metade das doses. Essa redução na mortalidade também foi observada para permetrina em P. exigua e para deltametrina em P. sylveirae. P. sylveirae foi mais tolerante ao cartape do que P. scutellaris e P. exigua. A vespa P. scutellaris foi mais tolerante ao etiom do que P. sylveirae e P. exigua. A espécie P. exigua foi a mais tolerante a piretróides. Os resultados dessa pesquisa foram obtidos em condições de exposição extrema e, portanto indicam que piretróides são possivelmente seletivos a vespas predadoras em condições de campo. Os possíveis mecanismos relacionados à seletividade e tolerância das vespas aos inseticidas são discutidos neste trabalho.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14295/BA.v1.0.38

Sociedade Entomológica do Brasil