Castro et al 2010   
BioAssay 5:4 (2010) ISSN: 1809-8460

EXTRATOS VEGETAIS

Efeito de Pós Vegetais sobre a Oviposição de Callosobruchus maculatus (Fabr.) (Coleoptera: Bruchidae) em Feijão-Caupi

Maria de Jesus P. de Castro1, Paulo Henrique S. da Silva2, Jonas R. Santos3  e José Algaci L. da Silva1

1Departamento de Fitotecnia – Centro de Ciências Agrárias – Campus da Socopo, Universidade Federal do Piauí – CP 64049-550, Teresina, PI – mjpcastro@gmail.com
2Embrapa Meio-Norte, Av. Duque de Caxias, 5650, Buenos Aires – CP 64006-220, Teresina, PI – phsilva@cpamn.embrapa.br 
3Centro de Ciências Biológicas e da Agricultura, Campus Poeta Torquato Neto, Universidade Estadual do Piauí – CP 64002-150, Teresina, PI – eubiologia@gmail.com



Enviado em: 14/VII/2009 Aceito em: 05/VIII/2009; Publicado em: 13/XII/2010

Effect of Vegetal Powders on Oviposition of Callosobruchus maculatus (Fabr.) (Coleoptera: Bruchidae) on Cowpea

ABSTRACT - Callosobruchus maculatus (Fabr.) is one of the main pests of stored cowpea (Vigna unguiculata (L.) Walp.). This study investigated alternatives for the chemical control of these insects by determining, in lab conditions, the bioactivity of plant powders of Piper tuberculatum Jacq., Lippia sidoides Cham., Sapindus saponaria L. AND Melia azedarach L. on C. maculatus oviposition preference. A completely randomized design was performed with eight treatments and four repetitions (four treatments with 10% of one type of vegetal powder mixed to the grains and four control treatments with pure grains). Eighty adult insects were released and kept for 48 h in a eight-port olfactometre to choose among the treatments. The adults were then removed and the number of eggs laid on the grains recorded. The most efficient treatments were the powder of L. sidoides leaves, with 100% control, followed by P. tuberculatum fruits and S. saponaria leaves and seeds. The other treatments did not affect C. maculates oviposition significantly. 

Key words: Cowpea weevils, stored grains, botanical insecticide.

RESUMO Callosobruchus maculatus (Fabr.) é considerado uma das principais pragas do feijão-caupi (Vigna unguiculata (L.) Walp.) em condições de armazenamento. Na busca de alternativas ao controle químico deste inseto, determinou-se, em laboratório, a bioatividade dos pós de quatro espécies vegetais: Piper tuberculatum Jacq., Lippia sidoides Cham., Sapindus saponaria L. e Melia azedarach L. sobre C. maculatus, avaliando-se o efeito dessas plantas em relação à preferência para oviposição do inseto em grãos. Utilizou-se o delineamento inteiramente casualizado com oito tratamentos e quatro repetições. Os tratamentos constaram na mistura de pós com grãos de feijão-caupi numa proporção de 10% que juntamente com a testemunha constituíram oito tratamentos. Nos ensaios, utilizou-se olfatômetro de oito vias. Oitenta insetos adultos foram liberados com chance de escolha entre os tratamentos. Após uma permanência de 48h, os adultos foram retirados e o número de ovos nos grãos anotados. O tratamento mais eficiente foi o pó de folhas de L. sidoides que propiciou 100% de controle, seguido por frutos de P. tuberculatum, sementes e folhas de S. saponaria. Os demais tratamentos não afetaram de forma significativa a oviposição de C. maculatus.

Palavras-chave: Caruncho-do-feijão-caupi, grãos armazenados, inseticida botânico.

    O ataque de insetos em grãos armazenados constitui um problema relevante devido, principalmente, ao desconhecimento dos produtores quanto à utilização e ao manuseio de substâncias químicas (Lima et al., 1999).

      O caruncho do feijão-caupi, Callosobruchus maculatus (Fabr.), é uma das principais pragas de feijões do gênero Vigna em condições de armazenamento. Seus danos decorrem da penetração e alimentação das larvas no interior dos grãos, provocando perda de peso, redução do poder germinativo das sementes, do valor nutritivo dos grãos, e do grau de higiene do produto, pela presença de excrementos, ovos e insetos (Almeida et al., 2005).

      O controle de insetos-praga de grãos armazenados tem sido realizado em larga escala por meio de produtos químicos. No entanto, os danos advindos do uso indiscriminado desses produtos, e a preocupação dos consumidores quanto à qualidade dos alimentos têm incentivado estudos relacionados a novas técnicas de controle de pragas, como a utilização de inseticidas vegetais na forma de pós, extratos e óleos (Tavares & Vendramim, 2005).

      O emprego de inseticidas botânicos no controle de pragas de grãos armazenados, segundo Tavares & Vendramim (2005), mostra-se bastante promissor, uma vez que facilita o controle das condições ambientais no interior das instalações de armazenamento, propiciando a maximização da atividade inseticida. Esses produtos, conforme Mazzoneto & Vendramim (2003), favorecem o pequeno produtor, pelo menor custo e facilidade de utilização, além de não afetarem o meio ambiente.

      Assim, objetivou-se com esse trabalho avaliar o efeito dos pós de Piper tuberculatum Jacq., Lippia sidoides Cham., Sapindus saponaria L. e Melia azedarach L. sobre o comportamento de C. maculatus em relação à sua preferência para oviposição em feijão-caupi.


Material e Métodos
 

O experimento foi conduzido no laboratório de Entomologia da Embrapa Meio-Norte em Teresina-PI em temperatura máxima de 30 ± 1,3°C, mínima de 25 ± 1,3°C e umidade relativa máxima de 69 ± 9% e mínima de 44 ± 3%. 

Os insetos utilizados nos ensaios foram provenientes de criação mantida no próprio laboratório, em feijão-caupi cultivar BR – 17 Gurguéia, em recipientes de vidro vedados com tecido voil.

As plantas avaliadas (Tabela 1) foram coletadas em diversos locais do Campo Experimental da Embrapa Meio-Norte, exceto L. sidoides que procedeu do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Piauí. As estruturas vegetais foram secas em estufa a 40 °C e moídas para obtenção do pó. O pó de cada estrutura vegetal foi armazenado separadamente em recipientes plásticos e opacos, hermeticamente fechados.

Tabela1

O ensaio foi instalado em delineamento inteiramente casualizado com oito tratamentos e quatro repetições. Para tanto, utilizou-se um olfatômetro de oito vias formado por oito recipientes plásticos de formatos quadrados (11,5 cm x 11,5cm x 3,5 cm) distribuídos lateralmente e interligados simetricamente por tubos de polietileno (10 cm de comprimento por 2,0 cm de diâmetro) a um recipiente central circular (28 cm de diâmetro x 13 cm de altura) (Figura 1).

Figura1

Amostras de feijão misturadas com pó (1g / 9g de feijão) e testemunha (sem pó) foram distribuídas nos oito compartimentos laterais do olfatômetro, previamente identificados. No recipiente central liberaram-se 80 adultos não sexados de idade entre 24 e 48 horas que tiveram livre acesso aos tratamentos. Após 48 h, os adultos foram retirados para posterior contagem do número de ovos nos grãos. A análise de variância foi feita através do teste F e as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade.


Resultados e Discussão

Foi constatada inibição na oviposição de Callosobruchus maculatus nos tratamentos com os pós de P. tuberculatum (frutos), L. sidoides (folhas) e S. saponaria (folhas e sementes) em comparação com os resultados obtidos na testemunha e nos demais tratamentos (Tabela 2).

Tabela2

P. tuberculatum é uma planta que tem demonstrado potencial inseticida em pesquisas com várias espécies de insetos, como Ostrinia nubilalis (Bernard et al., 1995), Alabama argillacea (Miranda et al., 2002), Aedes atropalpus (Scott et al., 2002, 2005), Diatraea saccharalis (Soberón et al., 2006; Debonsi et al., 2008) e Anticarsia gemmatalis (Navickiene et al., 2007), não tendo sido encontrado relatos de bioatividade sobre pragas de produtos armazenados.

Considerando-se os bons resultados nas investigações sobre o potencial inseticida P. tuberculatum e a atividade inibitória sobre a oviposição de C. maculatus neste trabalho, espera-se que essa espécie possa revelar-se tão promissora quanto a pimenta-do-reino, Piper nigrum L., pertencente à mesma família botânica e amplamente estudada no controle de pragas de grãos armazenados (Su & Horvat, 1981; Su, 1984; Faroni et al.,1995; Oliveira & Vendramim, 1999; Lopes et al., 2000; Almeida et al., 2004; Almeida et al., 2005; Almeida et al., 2006).   

Em relação a L. sidoides e S. saponaria, mesmo com o excelente resultado apresentado nesta pesquisa, trata-se de duas espécies pouco conhecidas na literatura, não tendo sido encontrado nenhum registro das mesmas no controle das pragas de grãos armazenados.

L. sidoides é um arbusto do Nordeste do Brasil, encontrado principalmente nos estados do Ceará e Rio Grande do Norte, que contém em sua composição um óleo essencial rico em timol e carvacrol e apresenta propriedades bactericida, fungicida, moluscicida e larvicida (Costa et al. 2002, Carvalho et al. 2003). Alguns trabalhos, como o de Sousa (2000) e Carvalho et al. (2003), revelaram excelente ação inseticida dessa planta no controle da mosca branca (Bemisia argentifolii Bellows & Perring) e sobre as larvas de Aedes aegypti L., respectivamente.

S. saponaria é uma espécie arbórea de distribuição regular nos Estados das regiões Norte, Nordeste e Centro Oeste. Os seus frutos são utilizados pela população como sabão, no banho e no combate a úlceras, feridas na pele e inflamações. Espécies de Sapindus têm sido pesquisadas como fontes de saponinas para cosmético, por suas propriedades tensoativas como também para uso farmacológico, pois seus compostos triterpenóides apresentam atividade antiulcerativa e antineoplásica (Albiero et al. 2001). S. saponaria demonstrou grande potencial inseticida sobre as pragas das crucíferas Plutela xylostella L. (Boiça Junior et al. 2005, Medeiros et al. 2005) e Ascia monuste orseis (Latreille) (Medeiros & Boiça Junior, 2005).

O tratamento contendo o pó de folhas de M. azedarach propiciou um número médio de ovos maior que o de talos da mesma planta, superando a testemunha. De forma ainda mais marcante, ocorreu com o pó de L. sidoides que, enquanto as folhas impediram a postura, o tratamento com os talos dessa planta foi mais ovipositado que a testemunha. Esse comportamento do inseto pode está associado aos teores de substâncias secundárias nas diferentes partes dos vegetais que segundo Souza & Vendramim (2001) não ocorrem de forma uniforme nas plantas.

Assim, os resultados obtidos são indicativos de que os pós vegetais de P. tuberculatum (frutos), L. sidoides (folhas) e S. saponaria (folhas e sementes) são promissores para proteger grãos de feijão-caupi armazenados contra o caruncho C. maculatus.


Literatura Citada

Albiero, A.L.M., E.M. Bacchi & K.S. Mathias. 2001. Caracterização anatômica das folhas, frutos e sementes de Sapindus saponaria L. (Sapindaceae). Acta Sci. 23: 549-560.

Almeida, F. de A.C., S. de A. Almeida, N.R. dos Santos, J.P. Gomes & M.E.R. Araújo. 2005. Efeitos de extratos alcoólicos de plantas sobre o caruncho do feijão Vigna (Callosobruchus maculatus). R. Bras. Eng. Agríc. Ambiental. 9: 585-590.

 

Almeida, S. de A., F. de A.C. Almeida, N.R. dos Santos, M.E.R. Araújo & J.P. Rodrigues. 2004. Atividade inseticida de extratos vegetais sobre Callosobruchus maculatus (Fabr., 1775) (Coleoptera, Bruchidae). R. Bras. Agrociência. 10: 67-70.

Almeida, S.A., F. de A.C. de Almeida, N.R. dos Santos, S.S.A. Medeiros & H. da S.A. 2006. Controle do caruncho Callosobruchus maculatus (Fabr., 1775) (Coleoptera: Bruchidae) utilizando extratos de Piper nigrum L. (Piperaceae) pelo método de vapor. Ciênc. Agrotec. 30: 793-797.

Bernard, C.B., H.G. Krishnamurty, D. Chauret, T. Durst, B.J.R. Philogène, P. Sánchez-Vindas, C. Hasbun, L. Poveda, L.S. Román & J.T. Arnason. 1995. Insecticidal defenses of Piperaceae from the neotropics. J. Chem. Ecol. 21: 801-814.

Boiça Júnior, A.L., C.A.M. Medeiros, A.L. Torres & N.R. Chagas Filho. 2005. Efeitos de extratos aquosos de plantas no desenvolvimento de Plutella xylostella (L.) (Lepidoptera: Plutellidae) em couve. Arq. Inst. Biol. (São Paulo). 72: 45-50.

Carvalho, A.F.U., V.M.M. Melo, A.A. Craveiro, M.I.L. Machado, M.B. Bantim & E. F. Rabelo. 2003. Larvicidal activity of the essential oil from Lippia sidoides Cham. against Aedes aegypti Linn. Mem. Inst. Oswaldo Cruz. 98: 569-571.

Costa, S.M.O., T.L.G. Lemos, O.D.L. Pessoa, J.C. Assunção & R. Braz-Filho. 2002. Constituintes químicos de Lippia sidoides (Cham.) Verbenaceae. Rev. Bras. Farmacogn. 12: 66-67.

Debonsi, H.M., J.E. Miranda, A.T. Murata, S.A. de Bortoli, M.J. Kato, V.S. Bolzani & M. Furlan. 2008. Isobutyl amides – potent compounds for controlling Diatraea saccharalis. Pest Manag. Sci. 65: 47 – 51.

Faroni, L.R.D.A., L. Molin, E.T. de Andrade & E.G. Cardoso. 1995. Utilização de produtos naturais no controle de Acanthoscelides obtectus em feijão armazenado. Rev. Bras. de Armaz. 20: 44-48.

Lima, H.F., R. de L.A. Bruno, G.B. Bruno & I.S. de A. Bandeira. 1999. Avaliacão de productos alternativos no controle de pragas e na qualidade fisiológica de sementes de feijão macasar armazenadas. R. Bras. Eng. Agríc. Ambiental. 3: 49-53.

Lopes, K.P., R. de L.A. Bruno, G.B. Bruno & A.P. de Souza. 2000. Produtos naturais e fosfeto de alumínio no tratamento de sementes de feijão-macassar (Vigna unguiculata (L.) Walp.) armazenadas. Rev. Bras. Sementes. 22: 109 – 117.

Mazzonetto, F. & J.D. Vendramim. 2003. Efeito de pós de origem vegetal sobre Acanthoscelides obtectus (Say) (Coleoptera: Bruchidae) em feijão armazenado. Neotrop. Entomol. 32: 145-149.

Medeiros, C.A.M. & A.L. Boiça Júnior. 2005. Efeito da aplicação de extratos aquosos em couve na alimentação de lagartas de Ascia monuste orseis. Bragantia. 64: 633-641.

Medeiros, C.A.M., A.L. Boiça Júnior & A.L. Torres. 2005. Efeito de extratos aquosos de plantas na oviposição da traça-das-crucíferas, em couve. Bragantia. 64: 227-232.

Miranda, J.E., J.E. de M. Oliveira, K.C.G. Rocha, S.A. Bortoli, H.M.D. Navickiene, M.J. Kato & M. Furlan. 2002. Potencial inseticida do extrato de Piper tuberculatum (Piperaceae) sobre Alabama argillacea (Huebner, 1818) (Lepidoptera: Noctuidae). Rev. Bras. Ol. Fibros. 6: 557-563.

Navickiene, H.M.D., J.E. Miranda, S.A. Bortoli, M.J. Kato, V.S. Bolzani & M. Furlan. 2007. Toxicity of extracts and isobutyl amides from Piper tuberculatum: potent compounds with potential for the control of the velvetbean caterpillar, Anticarsia gemmatalis. Pest Manag. Sci. 63: 399-403.

Oliveira, J.V. & J.D. Vendramim. 1999. Repelência de óleos essenciais e pós vegetais sobre adultos de Zabrotes subfasciatus (Boh.) (Coleoptera, Bruchidae) em sementes de feijoeiro. An. Soc. Entomol. Brasil. 28: 549-555. 

Scott, I.M., E. Puniani, H. Jensen, J.F. Livesey, L. Poveda, P. Sánchez-Vindas, T. Durst & J.T. Arnason. 2005. Analysis of Piperaceae germplasm by HPLC and LCMS: a method for isolating and identifying unsaturated amides from Piper spp. extracts. J. Agric. Food Chem. 53: 1907-1913.

Scott, I.M., E. Puniani, T. Durst, D. Phelps, S. Merali, R.A. Assabgui, P. Sánchez-Vindas, L. Poveda, B.J.R. Philogène & J.T. Arnason. 2002. Insecticidal activity of Piper tuberculatum Jacq. extracts: synergistic interaction of piperamides. Agr. Forest Entomol. 4: 137-144.

Soberón, V.G., C. Rojas, J. Saavedra, J.K. Massuo & G.E. Delgado. 2006. Acción biocida de plantas de Piper tuberculatum Jacq. sobre Diatraea saccharalis (Lepidoptera, Pyralidae). Rev. Peru. Biol. 13: 107-112.

Sousa, C.V.B. Óleos essenciais no controle de mosca branca, (Bemisia argentifolii Bellows & Perring), em melão. 2000. 62 f. Dissertação (Mestrado em Fitotecnia). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2000.

Souza, A.P. de & J.D. Vendramim. 2001. Atividade inseticida de extratos aquosos de meliáceas sobre Bemisia tabaci (Genn) biótipo B. Neotrop. Entomol. 30: 133-137.

Su, H.C.F. & R. Horvat. 1981. Isolation, identification and insecticidal properties of Piper nigrum amides. J. Agric. Food Chem. 29: 116-118.

Su, H.C.F. 1984. Comparative toxicity of three peppercorn extracts to four species of stored-product insects under laboratory conditions. J. Georgia Entomol. Soc. 19: 190-199.

Tavares, M.A.G.C. & J.D. Vendramim. 2005. Bioatividade da erva-de-santa-maria, Chenopodium ambrosiodes L., sobre Sitophilus zeamais Mots. (Coleoptera: Curculionidae). Neotrop. Entomol. 34: 319-323.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários


Sociedade Entomológica do Brasil